Pesquisar

Especial: Google II - Carreiras

Primeiramente gostaria de ressaltar um exclarecimento. Novamente é uma postagem sobre o Google mas tenho certeza que essa é de extrema importância. O blog não tem nenhum vínculo com o google, e nossa ideia sobre o projeto "TUTOR EXECUTIVO" ainda está em formação, mas essa reportagem tirada do portal exame é muito interessante e pode contribuir muito à vocês leitores. O grupo está em constante estudo e sempre procurando capacitar o conhecimento nos negócios, então, nossa ideia é totalmente séria e cooperativa. Portanto, participe. Existe uma barra de comentários abaixo de cada matéria e também tem nosso email: grenad.management@gmail.com
Participe! Vamos tentar fazer do blog uma rede de networking!
No mais, gostaria de agradecer imensamente o apoio dos membros e maiores colaboradores até o momento, Rodrigo Fazionato e Gustavo Nogueira, ambos alunos e amigos de turma da Administração/UFSJ. O apoio deles tem sido fundamental na formação da ideia e principalmente na existência do Grupo. Muito Obrigado!
Lucas Margotti



Sete passos para fazer carreira no Google
Diretora de Recursos Humanos do Google para Latino América descreve qual o perfil profissional cobiçado pela gigante da internet
por Talita Abrantes

Conheça o perfil dos Googlers
São Paulo – As razões para que o Google brilhe como uma das empresas mais cobiçadas por profissionais do mundo inteiro não estão ligadas apenas à popularidade do grupo na internet.

Com um ambiente descontraído, rotinas flexíveis e espaço para criatividade, a companhia desenhou à risca empregos coerentes com os critérios para uma carreira dos sonhos.

No início do ano, o Google abandonou suas operações na China justamente em um momento em que os negócios na internet brasileira mostram-se bastante promissores.

Estima-se que, só em 2009, o Google tenha faturado cerca de 700 milhões de reais no país. Neste cenário, fazer carreira no Google é quase sinônimo de uma trajetória profissional para lá de promissora.

Para que você possa se preparar para o rigoroso processo de seleção da empresa, conversamos com Mônica Santos, diretora de Recursos Humanos do Google para Latino América. Ela mostrou quais os sete critérios avaliados pelos headhunters da empresa:


1. Primeiro aluno
O papo de que as notas conquistadas na faculdade não determinam sucesso profissional não vale para o contexto do Google.

“A empresa começou dentro de uma universidade. Por isso, procuramos profissionais que tenham sido alunos aplicados”, afirma a diretora. “Não adianta ter estudado em uma universidade top, mas apresentar um desempenho medíocre”.

Isso significa que profissionais com uma formação acadêmica mais consistente, com MBA ou alguma especialização, ficam em destaque nos processos de seleção do Google. “Para nós, parar de estudar não é uma opção”.


2. Tagarelice trilíngue
Como toda empresa com caráter global, a rotina de trabalho diária dos funcionários do Google é toda organizada em torno das relações com pessoas de unidades de outros países.

Fato que (como já era de se esperar) torna a fluência em inglês um atributo fundamental para quem sonha entrar para o time dos googlers, como os funcionários da gigante de buscas são chamados.

Para completar, a operação latino americana do Google é comandada pela unidade brasileira. Por conta disso, o domínio do espanhol também é um requisito essencial para os candidatos a uma oportunidade na empresa.

Mas, de acordo com a diretora de RH do Google para Latino América, inglês e espanhol não são suficientes. O domínio de um terceiro idioma é um diferencial.

3. Seja geek, mas não se exiba
Em uma empresa ligada a internet, paixão por tecnologia é essencial. Mas não é necessário exibir uma porção de aparelhos eletrônicos de última geração durante a entrevista de emprego.

A estratégia, portanto, é demonstrar o quanto atualizado você está sobre assuntos pertinentes ao universo tecnológico. Mas cuidado para não bancar o bitolado em tecnologia. “Nós buscamos diversidade entre os nossos funcionários”, afirma a diretora.

4. Dance conforme a música
Flexibilidade é palavra de ordem dentro das quatro paredes dos escritórios do Google espalhados pelo mundo.

“Nosso negócio está em constante mudança, precisamos estar prontos para lidar com o inesperado e com desafios que ainda não existem”, afirma a diretora.

Essa premissa se reflete na própria estrutura de trabalho cultivada pela companhia. Com uma rotina flexível e descontraída, a proposta do grupo, segundo Mônica, é proporcionar que os funcionários “trabalhem duro, mas que se divirtam”.

O desafio diário, neste ponto, ganha um caráter malabarista: quem trabalha no Google precisa, desde sempre, aprender a equilibrar diversão e cumprimento de metas.

“O gênio que fica o dia todo sentado em uma sala e não tem outros interesses não cabe no perfil do Google”, diz Mônica.

5. Don´t be evil
De acordo com Mônica, quem quer trabalhar no Google precisa comprovar com suas experiências anteriores que é coerente com o lema da empresa “Don´t be evil”. “Nós esperamos que os profissionais tomem decisões corretas e éticas”, afirma.

Por conta disso, o processo de seleção do Google é rígido. De acordo com uma regra mundial, um candidato deve ser submetido a até oito entrevistas.

Participação em projetos sociais, em movimentos estudantis e até em organizações esportivas pode render pontos positivos para os candidatos. “Mais do que bons líderes, procuramos profissionais que realmente saibam trabalhar em equipe”, diz.

6. Os inconformados
Criatividade, curiosidade e inovação são três dos atributos mais valorizados pela companhia de Larry Page e Sergey Brin. “Procuramos pessoas inconformadas, que pensem fora da caixa”, diz Mônica.

Isso não significa que, para trabalhar no Google, é preciso andar com a cabeças nas nuvens. Mas, sim, ter ideias originais e saber como tirá-las do papel.

Nesse aspecto, de acordo com a diretora de RH, profissionais que desenvolveram projetos inovadores durante toda a sua trajetória profissional ganham atenção dos recrutadores da companhia.

 7. Em alta
“O mercado de internet é muito recente”, afirma Mônica. “Por isso, temos uma certa dificuldade para encontrar pessoas que conheçam esse mercado com profundidade”.

Por isso, de acordo com a especialista, engenheiros de software e especialistas em marketing digital estão entre os profissionais mais cobiçados pelo Google.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leia mais