Pesquisar

Texto: O ambiente externo das Organizações

Por Lucas Margotti

Uma das suposições básicas da teoria dos sistemas é que as organizações não são auto-suficientes nem independentes. De fato, elas trocam recursos com o ambiente externo e dependem dele. No ambiente externo são encontrados todos os elementos que, atuando fora de uma organização, são relevantes para as suas operações. As organizações captam insumos no ambiente externo, transformam em produtos ou serviços e devolvem ao ambiente em forma de produto. 




No ambiente externo das organizações existem os elementos do meio ambiente que influenciam diretamente as atividades de uma organização conhecidos como “elementos de ação direta” e os elementos do ambiente externo que afetam o clima em que ocorrem as atividades da organização, mas que não afetam diretamente a organização, denominados “elementos de ação indireta”. No ambiente de ação direta são encontrados os Stakeholders, grupos ou indivíduos afetados pela busca de uma organização por seus objetivos, onde são categorizados em stakeholders externos onde inclui sindicatos, fornecedores, competidores, consumidores, grupos com interesses especiais e órgãos governamentais e os internos que incluem empregados, acionistas e os boards. O componente de ação indireta do ambiente externo afeta a organização de duas maneiras, primeiro: algumas forças podem ditar a formação de um grupo que eventualmente se torne stakeholder, segundo: os elementos de ação indireta criam um clima, uma tecnologia que muda rapidamente, crescimento ou declínio econômico, mudanças nas atitudes com relação ao trabalho, no qual a organização existe e ao qual precisa, em última circunstância, reagir. 

Fahey e Narayanan agruparam essas interações complexas em quatro fatores amplos que influenciam a organização e que devem ser considerados por seus administradores. O primeiro são as variáveis sociais, onde a demografia, o estilo de vida e os valores sociais podem influenciar uma organização a partir de seu ambiente externo. O segundo são as variáveis econômicas, as tendências e as condições econômicas gerais que podem influenciar as atividades econômicas. Outra são as variáveis políticas, ou seja, fatores que podem influenciar as atividades de uma organização em decorrência do processo ou do clima político. E a ultima são as variáveis tecnológicas, novos desenvolvimentos em produtos e em processos, bem como avanços na ciência, que podem afetar as atividades de uma organização.

Uma das mudanças mais importantes no ambiente externo é a globalização dos negócios, com efeitos diretos e indiretos sobre o ambiente. Os administradores devem estar conscientes de que suas empresas podem ter stakeholders internos e externos em outros países. A globalização dos negócios também afeta o ambiente de ação indireta, assim, os administradores devem, também, estar cônscios das variáveis sociais, econômicas, políticas e tecnológicas em cada país em que desejam negociar ou esperar competir. O ambiente como um todo pode ser visto como fonte de informação e estoque de recursos. Dependendo da abordagem em que faça ao seu ambiente, uma organização enfrenta um desses dois problemas teóricos: a incerteza causada pela falta de informação e a dependência de outros para obtenção de recursos vitais. Para M.T. Hannan e J.H. Freeman, existem seis fatores ambientais que podem afetar o nível de incerteza e dependência em uma organização. Para eles, o ambiente é mais incerto e mais difícil de ser compreendido quando: é mais diferenciado; está mudando; há numerosas interconexões entre seus vários elementos; os recursos necessários não são amplamente disponíveis; esses recursos não são distribuídos de modo uniforme; e o aumento da conectividade perturba elementos do ambiente e as ligações entre eles. Outros teóricos ainda desenvolveram modelos estratégicos do meio ambiente para tentar explicar as relações entre as organizações e o meio ambiente através da Seleção Natural, onde é baseado em teorias biológicas de ecologia populacional, e adota a ênfase que elas dão a competição pelos recursos e através da Dependência de Recursos, onde presume que as organizações dependem do ambiente para a obtenção de recursos e sua estratégia de organização irá variar de acordo com a importância relativa de cada uma de suas dependências.

O ambiente externo é mais ou menos importante para os administradores, dependendo do tipo e dos objetivos de sua organização, das posições que eles ocupam e de suas funções, e de seu posicionamento na hierarquia organizacional. Devido ao seu maior poder e às suas perspectivas mais amplas, os administradores de alto nível podem ter mais responsabilidade ao administrar as relações com o ambiente externo do que os administradores de nível mais baixo. Os administradores de topo representam papéis cruciais no equilíbrio dos interesses dos vários stakeholders da organização, e na previsão e no ajuste das tendências no ambiente de ação indireta. O ambiente de ação direta é um elemento conhecido com o qual a organização tem padrões de interação regulares e estabelecidos. Em geral, os administradores usam técnicas padronizadas e confiáveis como propaganda, lobbies e negociação coletiva para influenciar os stakeholders da organização. O principal objetivo dos administradores é determinar a importância relativa de cada stakeholders e equilibrar a partir disso as decisões gerenciais. Os administradores monitoram o ambiente de ação indireta para perceber os primeiros sinais de mudanças que irão afetar mais tarde as atividades de sua organização. As informações sobre o ambiente de ação indireta vêm de muitas fontes, como a rede informal de informações do banco de negócios, administradores de outras organizações, dados gerados pelas próprias atividades da organização, etc., tudo isso pode alertar o administrador para uma tendência que deva ser monitorada. Usando técnicas estastísticas de previsão, os administradores podem antecipar mudanças nas variações sociais, econômicas, políticas e tecnológicas, e preparar planos alternativos para o futuro. Em geral, os administradores se ajustam ao ambiente externo através do processo de planejamento, onde eles desenvolvem e implementam planos estratégicos para guiar as tentativas da organização de influenciar o comportamento dos stakeholders e seus ajustamentos ao ambiente de ação indireta. Outro tipo de ajustamento ao ambiente implica mudanças na estrutura formal da organização. Esse tipo de “projeto organizacional” consiste numa estruturação consciente da organização, de modo que ela enfrente melhor as demandas do meio ambiente num dado momento.

O meio ambiente determina tanto a quantidade de incerteza que uma organização enfrenta como quão dependente ela é de outros para a obtenção de recursos vitais. Em ambientes turbulentos, as organizações devem destinar mais recursos à monitoração do meio ambiente. Os modelos de seleção natural e de dependência de recursos proporcionam visões alternativas do relacionamento entre as organizações e o meio ambiente. Os administradores, principalmente nos níveis mais altos, devem monitorar o ambiente externo e tentar prever mudanças que irão afetar a organização. Podem usar o planejamento estratégico e projeto organizacional para se ajustar ao ambiente.

(Texto Base: O ambiente externo das organizações, cap. 3, Introdução à Administração)

2 comentários:

  1. obrigada contribuiu para minha pesquisa sobre planejamento estratégico

    ResponderExcluir
  2. obrigada contribuiu para minha pesquisa sobre planejamento estratégico

    ResponderExcluir

Leia mais