Pesquisar

Movimento Brasil Profissional: A hora é Agora



PELA PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA



A reiteração constante de atitudes ilegais e antiéticas praticadas por agentes públicos que priorizam interesses pessoais ou de terceiros quando têm sob suas responsabilidades a gestão de recursos públicos, chegou ao limite do suportável, se é que se pode suportar qualquer mínimo de práticas dessa natureza.
Somos um povo ordeiro, trabalhador, honesto que arranca às duras penas seu sustento, num esforço extraordinário para contribuir com o desenvolvimento da nação, sem receber a devida atenção às suas necessidades básicas, por meio de serviços públicos adequados de saúde, educação, moradia, segurança etc (são tantos os etcéteras), em que pese uma elevadíssima carga tributária, sentida principalmente pelas classes menos favorecidas.
E a precarização desses serviços públicos, temos absoluta certeza, passa pela falta de profissionalização dos cargos principalmente na área da gestão, eis que os postos chaves de direção e assessoramento superior que necessitam de conhecimentos técnicos e científicos de Administração são entregues a pessoas com qualquer formação e até mesmo sem nenhuma formação.
A nação precisa de uma gestão mais profissional no setor público, em todos os níveis, em todos os poderes. Temos defendido essa bandeira, não com objetivos corporativistas mas com a convicção de que sendo necessário o conhecimento técnico para o desempenho de um cargo não pode o Estado fazê-lo ocupar por pessoa sem a qualificação necessária. Os resultados aparecem sob a forma da ineficiência e da ineficácia, com conseqüências sentidas principalmente pelos que necessitam do Estado para sobreviver.
A profissionalização, que significa a formação acadêmica adequada e o registro no respectivo órgão de classe para assunção a cargo técnico, é um dos caminhos para moralização do serviço público, face ao controle ético, moral e técnico a que estão submetidos os profissionais quando do desempenho de suas funções e competências.
Acreditamos que a profissionalização minimiza os efeitos nefastos do apadrinhamento, do nepotismo, da má política que muitas vezes levam pessoas completamente despreparadas para assunção de cargos públicos de alta relevância para o alcance de finalidades que favorecem diretamente àqueles que tanto necessitam do poder público. Os efeitos como somente são sentidos por aqueles sem voz ressonante, nem ao menos são esquecidos simplesmente porque nem mesmo são aferidos e considerados.
Queremos e Exigimos um Brasil Profissional.
Os assinantes.
ASSINE AGORA: http://www.brasilprofissional.adm.br/

Fonte: "BrasilProfissional"

2 comentários:

  1. Seria muito importante mudarmos essa estrutura política existente.

    Devemos exigir mais dos órgãos públicos.

    ResponderExcluir
  2. O CFA poderia adotar uma estratégia talvez mais efetiva, como criar um departamento especializado com a função de avaliação de concursos públicos. Poderia-se criar um indicar de desempenho para cada concurso de acordo com: forma e conteúdo da das questões, requisitos exigidos. Com esse tipo de trabalho pode-se demonstra a causa da incompetência da maior parte dos agentes públicos, além de desbancar o cabidão de empregos de algumas áreas que se apropriam da maior parte da administração pública.

    ResponderExcluir

Leia mais